segunda-feira, 20 de março de 2017

#49 - 'PROMENADE' SOL NUM QUARTO VAZIO (EDWARD HOPPER), Mário Avelar

Às vezes sento-me na
sala a ouvir Coltrane,
my favorite things... O crepúsculo

da memória esbate-se
em ténues raios de
luz nos ecos desses dias:

Não vás ao mar, Tóin'... O tédio
dos sessenta, procissões,
indolentes romarias...

cheiro a fritos, farturas...
Nostalgia? Toca a
banda no coreto... Que

vontade de uivar, de
correr, de fugir p'ra longe
desse imenso torpor.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

#48 - JOSEFINA BAKER, Luís de Montalvor

De qualquer ilha escondida
no quente mar colorista,
veio essa Baker trazida
pla mão da 5.ª avenida:
o roteiro fantasista.

Essa negra Josefina
deixou Colombo vexado,
ligando a terra-menina,
que é branca e greco-latina,
ao continente sobrado...

Um demónio de negrura:
trópico aroma se exala.
Seu corpo a imagem figura
de um brônzeo clima, em tontura,
cercando à noite a senzala.

O ritmo antigo é perdido,
outro mundo volverá.
Nesta Europa sem sentido
a Baker marca o ruído
e o mediano o Dekobra.

Façam batuque, batuque,
plantem na Europa o Haiti.
Caliça que a alma amachuque,
que caia o tecto de estuque
no senhor de Valéry.

Velha casa brazonada,
deu-lhe o vento de ruína.
A celta flor desfolhada,
morreu de tédio pisada
aos pés dessa Josefina.